27 de ago de 2010

Urbanismo: Manifesto a favor da minha Cidade


A alguns meses vemos nos notíciários e comentários da população em geral sobre a questão das Barracas de Praia em Salvador. Polêmica pois não agrada a todos e apontam para a negligência dos nossos poderes em relação a este problema que se alastra por muitos anos. A minha crítica se é que posso chamá-la assim é pela forma que foi tratada a questão dessa revitalização da Orla de Salvador e que resultou no prejuízo para o lado mais fraco (os barraqueiros).
Enquanto meu lado cidadão e humano é contra essa forma arbitrária com jogos de culpas para todas as esferas, meu lado enquanto estudante de Arquitetura e Urbanismo, ao qual tem a função de pensar sobre as cidades e que fatores aplicar e como executar as melhores soluções para esse tipo de problemática, acha correto. Até tenho me silênciado a respeito do tema durante esses dias na esperança até de haver uma nova audiência pública (ao qual ia participar, para entender melhor a questão), mas preferi escrever sobre um pouco do que acho a respeito disso. Silênciar pois minha opinião é diferente de cada um de vocês leitores que acessam este blog.
Mas fico pensando que existe uma solução pacífica para a resolução desse impasse e que se os órgãos competentes responsáveis ouvissem mais os profissionais da área, estudantes de Arquitetura e Urbanismo,as necessidades daqueles que dependem desses equipamentos para prover o sustento de suas famílias, talvez não chegasse ao ponto que chegamos eis que seja o máximo do que podemos suportar, principalmente a 3 meses do verão onde a cidade recebe os turistas e se mantém disso. 
Existem muitas orlas pelo país que foram revitalizadas com parcerias entre os comerciantes e o poder público onde houveram diálogos e acordos prévios para o projeto de revitalização. Isso é um resultado de um diálogo com aqueles que são os mais interessados,o povo. Nisso resultaram o PDDU de cidades como Recife e Porto Alegre que foram debatidos e previamente discutidos com as necessidades populacionais. Não posso falar que nosso recém aprovado PDDU (Lei 7400/2008), foi algo discutido exaustivamente (este que resultou em mais uma das nossas polêmicas soteropolitanas).
Estrago Feito e agora como proceder? Não adianta dar soluções para amenizar o que a prefeitura enquanto órgão responsável pela cidade deve tomar medidas cabíveis de buscar recursos ouvir a necessidade das camadas em audiências públicas divulgadas e partir para ação.
Uma cidade bem cuidada é sinal de qualidade de vida para os cidadãos que nela vivem.
ACORDE PREFEITO!!!